FEVEREIRO 2011
ARTRITE REUMATÓIDE
Dra. Silvia Dias - Farmacêutica
silvia.dias@farmaciadocanico.pt

A artrite reumatóide é uma doença auto-imune sistémica, caracterizada pela inflamação das articulações (é dado o nome de artrite à inflamação de uma ou mais articulações). A artrite reumatóide é uma doença inflamatória crónica severa, debilitante e com localização variada, apesar da sua clara prevalência nas articulações sinoviais e tecidos periarticulares.

A artrite reumatóide é mais comum em mulheres e caucasianos. O pico de aparecimento da doença é entre os 35 e 55 anos. A sua etiologia é ainda um pouco desconhecida, mas é opinião generalizada que se relaciona com alterações no sistema imunitário, que passa a reagir contra proteínas do próprio organismo que estão localizadas nas articulações. Não pode ser considerada uma doença genética, mas no entanto, os factores genéticos parecem ser importantes e a presença de determinados genes está associada a um maior risco de desenvolver a doença.

O quadro de artrite reumatóide costuma iniciar-se com sintomas leves e pouco específicos como o cansaço, dor muscular, perda de peso, febre baixa e pequenas dores articulares. As articulações das mãos são, regra geral, as primeiras a serem atingidas, sendo as principais as metacarpofalangeanas e interfalangeanas proximais.

Conforme a doença progride, mais articulações são atingidas, frequentemente os ombros, joelhos, pés, tornozelos, cotovelos e coluna cervical. Os sintomas podem ser cíclicos, alternando as crises com períodos de melhora, ou contínuos.

O ataque das articulações é o mais típico, mas sendo a artrite reumatóide uma doença sistémica, pode também apresentar-se como uma inflamação do pericárdio (pericardite), inflamação do pulmão e da pleura, lesões nos nervos periféricos e aumento do baço. Cerca de 20 por cento dos doentes apresenta pequenos caroços debaixo da pele, que são chamados de “nódulos reumatóides”. Estes nódulos aparecem principalmente perto dos cotovelos, mas podem ser encontrados em outras partes do corpo. Alguns doentes podem também queixar-se de boca seca e olhos secos, o que significa que a produção de saliva e de lágrimas está diminuída. Estes sintomas são designados por “Síndrome de Sjorgren” e ocorrem devido à inflamação das glândulas produtoras de saliva e lágrima.

Foram estabelecidos certos critérios para a atribuição do diagnóstico de artrite reumatóide. Sendo que, para se concluir o diagnóstico, o doente necessita apresentar pelo menos quatro dos sete critérios abaixo descritos:

- Rigidez matinal (dificuldade de movimentação ao acordar);
- Artrite em três ou mais articulações;
- Artrite de mãos e punhos;
- Artrite simétrica;
- Nódulos reumatóides;
- Factor reumatóide sérico positivo;
- Alterações típicas de artrite reumatóide nas radiografias.

Para que os primeiros quatro critérios sejam válidos, é necessário que perdurem por, no mínimo, seis semanas. Alguns exames e alterações radiológicas, podem indicar se a artrite reumatóide terá maior ou menor gravidade. Estes são designados por factores de mau prognóstico e são os seguintes:

- Idade precoce de início da doença;
- Valores altos séricos de Factor Reumatóide;
- Provas de função inflamatória persistentemente elevadas;
- Artrite em mais de 20 articulações;
- Comprometimento extra-articular (pericardite, vasculite, Síndrome de Sjogren, etc.).

Infelizmente, não existe cura para a artrite reumatóide e o tratamento é voltado para a redução dos processos inflamatórios, prevenção das deformidades e o alívio da dor. A terapia farmacológica é o principal tratamento para esta doença, e existem quatro classes diferentes de medicamentos que podem ser usados:

Anti-inflamatórios não esteróides (AINE’s)
São medicamentos que actuam aliviando os sintomas da artrite. Demoram duas a quatro semanas a alcançar o efeito máximo e não impedem que ocorram lesões deformantes.

Medicamentos modificadores da doença
São capazes não só de diminuir o processo inflamatório, como também impedir a progressão para doença deformante. Na sua maior parte são medicamentos imunossupressores e devem ser usados sob controlo médico. Os efeitos deste tipo de medicamentos só são sentidos após meses de tratamento.

Medicamentos modificadores da resposta biológica
São os mais recentes medicamentos usados no tratamento da artrite reumatóide, todos eles por via injectável e são reservados para os casos mais graves e que não respondem à terapia convencional.

Corticóides
O seu uso é indicado no início do tratamento, junto com os AINE’s, para um alívio rápido dos sintomas, enquanto se espera o efeito completo dos medicamentos modificadores de doença.

Quanto a terapias não farmacológicas, exercícios realizados moderadamente e com regularidade ajudam a fortalecer os músculos e diminuem a fadiga. Os exercícios devem ser evitados apenas quando causam dor ou em altura de crises, em que as articulações se encontrem muito inflamadas. O recurso à Hidroterapia e Fisioterapia também tem apresentado bons resultados. É também de elevada importância a orientação nutricional, de modo a evitar excesso de peso e consequentemente uma maior sobrecarga das articulações.

Colaboradora da Farmácia do Caniço desde 2008.

 


seara.com
 
2009 - Farm´cia Caniço
Verified by visa
Saphety
Paypal